Olegar Lopes: “Um legado preservado”


Olegar Lopes – Agenda Tradicionalista
Um legado preservado

O pampa aragano sem fronteiras nem alambrados aos poucos vai sendo ocupado. Vêm os animais, os índios, os jesuítas, os gaudérios aventureiros, o gaúcho nômade, o changador caçador do gado chimarrão. Mais adiante surgem os ranchos, os galpões e a casa grande – a soga que apresilha o taura ao seu pedaço. O gaudério passa a ser sensível à natureza, passa a ter alma de poeta, sentar no oitão do galpão para matear e admirar o entardecer.

O gaúcho, por natureza, é apegado às coisas do campo como os animais – o cavalo, o gado e o cusco – que são seus companheiros inseparáveis nas lides de campo e nos passeios dos fins de semana. Desse apegado às lides campeiras surgiu o primeiro torneio de tiro de laço no dia 2 de fevereiro de 1952. Tudo aconteceu quando um velho campeiro, Sr. Alfredo José dos Santos, num certo fim de semana, ao chegar num bolicho de beira de estrada, em Esmeralda, 5º distrito de Vacaria, encontrou um grupo de amigos ouvindo a transmissão de um jogo de futebol. Empolgados, os amigos convidaram o seu Alfredo para juntos organizarem um time de futebol. De pronto, como bom campeiro, o índio velho disse que se fosse para laçar um novilho xucro em campo aberto ele seria companheiro. Com isso o grupo de amigos passou a se reunir nos finais de semana para se divertirem laçando novilho xucro em campo aberto. Diversão que levou o grupo a construir uma cancha de laço e, em 2 de fevereiro de 1952, realizaram o primeiro torneio de Tiro de Laço. Estavam aí preservando o valioso legado deixado pelos gaúchos primitivos.

Assim como o grande rodeio crioulo de Vacaria promovido de 2 em 2 anos pelo CTG Porteira do Rio Grande, outros milhares de rodeios crioulos promovidos por entidades tradicionalistas filiadas ao Movimento Tradicionalista Gaúcho e até grupos de campeiros independentes – assim como fez Alfredo José dos Santos no início da década de 50 – continuam preservando com galhardia o rico legado construído pelos nossos ancestrais. O movimento tradicionalista como movimento organizado tem como objetivo principal preservar e divulgar nossas tradições, o que faz muito bem através da FECARS – Festa Campeira do Rio Grande do Sul, evento que terá realizada sua 32ª edição dias 19, 20, 21 e 22 do corrente mês, em Pelotas.