Creches privadas podem retornar as atividades na próxima quinta-feira, 1º

As creches privadas de Canoas serão as primeiras a poder retomar as atividades, a partir de 1º de outubro. A decisão foi tomada pelo executivo canoense por conta da cidade estar, há duas semanas consecutivas, na bandeira laranja, e, segundo o decreto estadual, isso possibilita o retorno das atividades escolares no município.

Regras para reabertura

Nesta semana foram divulgadas pela Prefeitura de Canoas algumas exigências que o município exigirá das creches. Seguem algumas regras:

  • As crianças e funcionários deverão ser testados no primeiro e no 15º dia, uma medida inédita no Estado.
  • As instituições também deverão apresentar um plano de contingência, que será avaliado e aprovado por um comitê multiprofissional da Prefeitura antes da reabertura.
  • As escolas deverão cumprir a taxa de ocupação máxima de 25% por turma.
  • Checar a temperatura das crianças e funcionários ao chegarem no ambiente escolar.
  • Realizar a higienização das mãos antes de entrar.
  • Crianças a partir de quatro anos e adultos devem usar máscaras ou protetor facial.
  • Limpeza e higienização dos espaços.
  • Disponibilização de álcool em gel 70% nos ambientes.
  • Escalonamento dos horários de chegada, saída e intervalo dos estudantes entre as turmas.
  • Marcações no chão indicando distância de 1,5 metro; aumentar o espaço entre as mesas e cadeiras, reorganizando o espaço a fim de manter a distância de pelo menos um metro e meio. Para menores de quatro anos, o distanciamento deve ser sempre de dois metros; entre outras medidas.

Mesmo optando pela reabertura, as escolas devem continuar disponibilizando conteúdos online para as crianças cujos pais optarem por não encaminhar o filho às aulas.

“10% das escolas privadas de Canoas fecharam”

Segundo a vice-diretora do Sindicato Intermunicipal dos Estabelecimentos de Educação Infantil do Estado (Sindicreches) e gestora da Escola de Educação Infantil Cofrinho de Mel, localizada em Canoas, Talina Romano, a cidade contempla em torno de 110 escolas privadas e nos registros do sindicato, em torno de 10% destas instituições já se manifestaram que não retornaram as atividades, ou seja, fecharam.

Outro dado abordado pela dirigente foram os cancelamentos de matrículas nas escolas privadas de Canoas, que, antes da pandemia, tinha em torno de quatro mil alunos matriculados nas instituições, e hoje este número baixou por volta de 45%.

“Só foi possível nós nos mantermos por conta dos benefícios do governo para conciliar com a folha de pagamento dos funcionários. Mas ainda existe muita dificuldade, falta de informação e falta de visibilidade da categoria. Nós lutamos muito para poder chegar até o prefeito. Somos uma das últimas categorias a estarmos retornando, entendemos que existe uma necessidade, pois as crianças estão sofrendo com isso, sentem falta de socialização e desenvolvimento”, conclui a liderança do sindicato.

Talina vê uma grande responsabilidade por parte do município na retomada das atividades escolares. “Não vemos dificuldades em realizar os cuidados e protocolos, assim como o teste que está sendo exigido, pois temos o apoio dos pais”, finaliza.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here