Com nova crise, hospital Nossa Senhora das Graças pode fechar as portas

O Hospital Nossa Senhora das Graças, conhecido carinhosamente pelos canoenses como Gracinha, passa por novo momento delicado, que pode culminar com o fechamento de portas da instituição. Em contínua crise e com dívida milionária, a situação do HNSG tem sido debatida em reuniões envolvendo a Prefeitura de Canoas, Ministério Público (MP), Sindicatos e a Sociedade Sulina Divina Providência, que até o momento se oferecia para assumir a gestão do hospital no lugar da atual mantenedora, a Associação Beneficente de Canoas (ABC). Na última semana, um clima de insegurança afastou a Divina das negociações, deixando um panorama de incertezas sobre o futuro do hospital.

Respostas

A reação do Prefeito Luiz Carlos Busato (PTB) diante dessa informação foi imediata. Segundo ele, já está marcada uma reunião com representantes da Divina Providência para tentar reverter a situação. Em conversa com a reportagem do jornal Timoneiro ele criticou a postura da ABC, que, segundo ele, tem dificultado as negociações de recuperação do Graças: “Estamos tentando que a ABC abra mão da gestão do Graças. Agora mais uma vez temos uma demonstração de falta de capacidade deles. Alguns sócios da ABC contaminaram as negociações, criaram um clima que prejudicou”. Ainda, de acordo com o prefeito, caso o Divina confirme seu afastamento, são planejadas duas linhas de atuação: Uma delas é a procura de outras entidades de renome na gestão de saúde que tenham interesse em gerir o Graças. Outro caminho seria por vias judiciais: “Eu posso fazer uma requisição e entregar o hospital para a Divina ou a quem tiver interesse. Se a ABC não sair por bem, sairá por mal”, diz Busato.

Exames

Como exemplo do atual momento do Graças, que é caótico, foram encontrados um volume de aproximadamente 400 exames que detectam câncer (chamados de anatomopatológicos) que estavam parados há dois meses. De acordo com o presidente do Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), Marcelo Matias, a situação coloca em risco pessoas que precisam iniciar tratamento oncológico imediatamente e é um dos fatos mais graves que ocorreram no Graças, em seu período de crise. A Prefeitura, na última terça-feira, 29, afirmou que assim que recebeu a denúncia acionou a Vigilância em Saúde. Esta foi até o hospital e passou a fazer o levantamento de todos os casos. Segundo a atual gestão municipal, os materiais foram levados ao Hospital Universitário, onde todos os exames serão feitos, para que as pessoas não sejam ainda mais prejudicadas. A Vigilância também interditou o laboratório de citologia do Graças, até que sejam feitas as adequações solicitadas. Assim que o órgão concluir o relatório da ação, todas as informações serão levadas ao Ministério Público.

ABC e Divina

A reportagem tentou contato com as duas entidades, mas estas preferiram não se manifestar sobre o assunto.

Consenso é de que ABC deve abrir mão do Graças para uma nova gestora

“A gestão da ABC é ineficiente e incapacitada”, afirma Busato. O prefeito afirma que se a ABC não abrir mão do hospital, este se encaminhará para seu fechamento. O Prefeito ainda detalha que não há problemas financeiros com relação à Prefeitura, já que , segundo ele, foram adiantados valores para a instituição. “O melhor serviço que eles poderiam fazer para a comunidade de Canoas neste momento seria a demissão de todos os executivos da ABC”, complementa Luiz Carlos.  O presidente do Simers, Marcelo Matias, também demonstra preocupação com a situação do hospital e sugere que o município busque a intervenção na gestão do hospital via MP. Ele ainda lembra que há médicos trabalhando sem receber há mais de um ano na instituição. “Se quisermos que o Graças dê certo, todos os envolvidos devem trabalhar em conjunto. Vamos usar todos os nossos recursos para interferir na realidade do hospital. Eu dou muita importância para o que está acontecendo na Saúde de Canoas”, complementa Marcelo.