Conecte-se conosco

header-top






 

04/03/2024
 

Cultura

O que esperar dos desfiles do grupo especial do Rio?

Redação

Publicado

em

Por Daniela Uequed e Douglas Angeli 

Quem acompanha os desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro pela televisão, redes sociais ou no sambódromo certamente já tem suas favoritas ao título de campeã do carnaval, seja pela torcida ou pelo samba. Antes das 12 escolas desfilarem, tudo pode acontecer: desfiles que surpreendem e favoritas que não correspondem à expectativa. Ainda assim, considerando os enredos, estrutura e preparação de cada escola, é possível fazer alguns prognósticos.

São noves quesitos de julgamento, cujas notas serão divulgadas na quarta-feira de cinzas: enredo, samba-enredo, bateria, harmonia, evolução, mestre-sala e porta-bandeira, fantasias, alegorias e comissão de frente.

Os desfiles ocorrem no domingo e na segunda, dias 11 e 12/02, com a seguinte ordem: no domingo, Porto da Pedra, Beija-Flor, Salgueiro, Grande Rio, Tijuca e Imperatriz; na segunda-feira, Mocidade, Portela, Vila Isabel, Mangueira, Tuiuti e Viradouro.

Listamos alguns pontos fortes e fracos de cada escola e o que merece grande atenção em cada escola:

Porto da Pedra – Campeã do grupo de acesso – série ouro – em 2023, está voltando ao grupo especial após 10 anos. Sua missão de se manter no especial é, como sempre, bem difícil. Pontos fortes: carnavalesco (manteve o campeão Mauro Quintaes), enredo (Lunário Perpétuo: a profética do saber popular), samba e intérprete (Wantuir). Pontos fracos: ser a primeira escola a desfilar, não ter a estrutura das demais.

Beija-Flor – A supercampeã do século XXI encara a difícil tarefa de fazer uma grande apresentação sendo a segunda a desfilar no domingo. Vem de um quarto lugar no ano passado, mas tem novo carnavalesco: João Vitor Araújo – pupilo de Rosa Magalhães. O enredo sobre os delírios de Rás Gonguila (para falar do carnaval de Maceió e da realeza africana) é interessante, mas uma incógnita sobre como será representado. Pontos fortes: o casal de mestre-sala e porta-bandeira (Claudinho e Selminha Sorriso), o canto das alas, a estrutura para desenvolver boas alegorias e fantasias. Ponto fraco: o samba.

Salgueiro – Uma das escolas mais fortes do carnaval carioca, nos últimos anos esteve um pouco longe do título e no ano passado ficou em sétimo lugar. Apesar de perder pontos em enredo em 2023, manteve o carnavalesco, Edson Pereira, reconhecido pela qualidade das alegorias. Pontos fortes: o apelo político do enredo (Hutukara, sobre os yanomami), o samba, o canto das alas, a bateria. Pontos fracos: as dificuldades recorrentes na evolução.

Grande Rio – Campeã em 2022 com um desfile antológico, obteve um sexto lugar morno em 2023. Porém, os carnavalescos Gabriel Haddad e Leonardo Bora estudam e planejam há bastante tempo o enredo sobre a cosmovisão tupinambá e o imaginário da onça. As imagens do barracão indicam um belo conjunto alegórico e a escola pode surpreender em 2024. Pontos fortes: o enredo (Nosso destino é ser onça), o samba melodioso com a bateria mais cadenciada, as fantasias (conforme os protótipos divulgados). Pontos fracos: precisa superar as dificuldades de harmonia e evolução do ano passado.

Tijuca – A escola não tem realizado bons desfiles desde 2020, ficando três vezes em nono lugar. Dessa vez aposta na experiência do carnavalesco Alexandre Louzada (que estava na Beija-Flor). Os spoilers do barracão indicam que a escola deve apresentar uma plástica muito superior à dos últimos anos. Pontos fortes: a experiência do carnavalesco, a bateria, um bom conjunto estético (conforme o que já foi divulgado). Pontos fracos: o enredo duvidoso sobre os mitos de Portugal (Um conto de fados), o samba (talvez o pior do ano).

Imperatriz – Campeã de 2023 e forte candidata ao bicampeonato. Deve fechar com chave de ouro a primeira noite de desfiles, com um enredo lúdico (O testamento da cigana Esmeralda) e a estrela do carnavalesco Leandro Vieira. Pontos fortes: o enredo, o samba, o carnavalesco, o conjunto alegórico (pela expectativa conforme o que já foi divulgado), a gestão e organização da escola. Pontos fracos: nada consta.

Mocidade – Penúltima colocada em 2023, já vinha de um desfile desastrado em 2022. Houve quem apostasse no rebaixamento da escola, mas fala-se em novo aporte de recursos nos bastidores. O samba divide opiniões, mas tem sido um dos mais escutados e cantados. Pontos fortes: a empolgação gerada pelo samba, a bateria, os jovens Diogo Jesus e Bruna Santos (mestre-sala e porta-bandeira). Pontos fracos: ser a primeira escola de segunda, a necessidade de superar as dificuldades de evolução e harmonia dos últimos anos, o enredo não convincente sobre o caju.

Portela – Quem viu o decepcionante desfile sobre o centenário da escola em 2023 não reconhecerá a Portela em 2024. Os novos carnavalescos, André Rodrigues e Antônio Gonzaga, deram nova cara ao barracão da escola, indicando a aposta em uma renovação de estilo. À frente da escola, outra novidade: o retorno da porta-bandeira Squel Jorge, que estava na Mangueira até 2022 e chegou a anunciar uma aposentadoria precoce. Pontos fortes: o apelo emotivo do enredo (Um defeito de cor), o samba, a bateria, a nova proposta estética dos carnavalescos, o casal Marlon Lamar e Squel. Ponto fraco: a dúvida sobre a estrutura da escola para superar as dificuldades do ano passado.

Vila Isabel – Já quem viu o desfile da Vila no ano passado, quando foi terceira colocada, não pode deixar de considerá-la uma das favoritas ao título. Há, no entanto, certa incógnita no ar. Será novamente um bom ano para o carnavalesco Paulo Barros? A reedição de um clássico (Gbala, viagem ao templo da criação – de 1993) vai funcionar? Pontos fortes: a criatividade do carnavalesco e equipe (para comissão de frente e alegorias), a boa condução da evolução, a bateria. Pontos fracos: não há propriamente, mas dúvidas. O samba, embora um lindo clássico, talvez não favoreça o desfile, talvez não empolgue as alas. Não se sabe se a escola vem com o mesmo aporte e estrutura do ano passado.

Mangueira – Quinta colocada no ano passado, vem com o enredo há muito tempo esperado: a homenagem ao ícone Alcione. A força do enredo, por si, não faz da verde e rosa uma das favoritas ao título, mas candidata a uma posição no desfile das campeãs. A ser observado o desempenho dos novos coreógrafos da comissão de frente, quesito que decepcionou no último ano. Pontos fortes: o apelo de Alcione e da própria escola, a evolução do desempenho da bateria, as fantasias no seu conjunto (conforme os protótipos divulgados). Pontos fracos: se esperava muito mais do samba e pelos elementos alegóricos que já apareceram será surpreendente se a escola apresentar uma plástica nota 10.

Tuiuti – Fez um desfile surpreendente e que merecia retornar nas campeãs em 2023, mas ficou em oitavo. Logo após o carnaval, perdeu o carnavalesco, os coreógrafos e o intérprete para outras escolas. A ela retorna o carnavalesco Jack Vasconcelos, do vice-campeonato de 2018, mas que na Tijuca não concebeu bons desfiles. Pontos fortes: o enredo sobre João Cândido e a Revolta da Chibata (Glória ao almirante negro), o samba que conta muito bem o enredo, a impecável bateria. Pontos fracos: falta de estrutura para um conjunto equilibrado de alegorias e fantasias.

Viradouro – Até a última escola desfilar, nada estará definido, pois se trata da vice-campeã de 2023. Ano passado, fez um desfile primoroso que perdeu o título por detalhes. Não há como esperar pouco dessa escola. Somou-se ao time o intérprete Wander Pires, uma das mais belas vozes do carnaval. Pontos fortes: o carnavalesco (Tarcísio Zanon), o enredo (Arroboboi, Dangbé), o samba, o intérprete, a bateria do mestre Ciça, a organização da escola. Pontos fracos: difícil achar.

Em tempo: haverá quem não concorde com os prognósticos, haverá surpresas e decepções, haverá beleza mesmo na imperfeição, aura mesmo nas dificuldades. Esse é o encanto da ópera popular da Marquês de Sapucaí.

Continuar a ler
Clique em Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Cultura

Cultura na Rua começa neste domingo

Redação

Publicado

em

Foto: Renan Caumo/Divulgação

Um novo projeto deve estimular atividades por meio de eventos culturais de rua. O Cultura na Rua começa neste domingo, 4, e acontecerá semanalmente em diferentes pontos da cidade. Das 13h às 19h, o público poderá conferir apresentações musicais e outras atividades na Rua Dr. Severo da Silva, esquina com a Avenida Santos Ferreira, no bairro Estância Velha. A iniciativa é uma promoção da Secretaria da Cultura.

Para este fim de semana, ainda há o Festival de Carrinho de Rolimã, contação de histórias, declamação e uma feira de variedades. As atividades são abertas ao público em geral e todas são gratuitas.

“O Cultura na Rua é um projeto que vem para descentralizar a cultura em nosso município, levando música, teatro, dança e outras manifestações para uma rua da cidade, sempre aos domingos. Entendemos que esse evento será muito importante para melhorar a vida das pessoas e promover o bem-estar”, destacou o secretário da pasta, DJ Cabeção.

Devido ao Carnaval, nos dias 10 e 17 de março, o Cultura na Rua não será realizado. A ação retoma no domingo seguinte, dia 24.

Continuar a ler

Cultura

Biblioteca Pública inaugura exposição “Gatos nas Letras”

Redação

Publicado

em

Os frequentadores da Biblioteca Pública João Palmo da Silva (Rua Ipiranga, nº 105), podem acompanhar a exposição “Gatos nas Letras”, que apresenta 19 obras que tem esses bichos de estimação como tema.

A mostra segue até dia 1º de março. Segundo a bibliotecária Andréia Knob, os livros estão disponíveis para leitura e empréstimo. Entre os títulos estão “O gato malhado e a senhora Sinhá”, de Jorge Amado, “Garfield”, de Jim Davis, e “Bob, um gato fora do normal”, de James Bowen.

Escritores e seus gatos

É antiga a relação de grandes escritores com esses animais domésticos, sendo que alguns deles dedicaram obras inteiras aos felinos. De Julio Cortázar a Ernest Hemingway, de Ferreira Gullar a Carlos Drummond de Andrade. Jorge Luís Borges, Ezra Pound, Truman Capote, Tchecov, Yeats e Lewis Carroll também viveram cercados por eles. Mestre das histórias de mistério e suspense, Edgar Allan Poe utilizou-os como personagens de seus contos. T. S. Elliot escreveu um livro sobre os gatos.

A Biblioteca fica no térreo da Secretaria da Cultura, na Rua Ipiranga, 105, Centro. O atendimento acontece de segunda a sexta-feira, das 9h às 18h.

Documentos para o cadastro:

  • Identidade com foto
  • Comprovante de residência atual no próprio nome ou dos pais (se o endereço estiver no nome de terceiros, é preciso apresentar declaração).
Continuar a ler

Cultura

Museu Hugo Simões Lagranha apresenta exposição de obras de apenados LGBTQIAP+ na quarta-feira

Redação

Publicado

em

Museu Hugo Simões Lagranha apresenta exposição de obras de apenados LGBTQIAP+ na quarta-feira

Obras que retratam o inconsciente e as emoções de 12 apenados LGBTQIAP+ do Complexo Prisional de Canoas (Pecan) estarão disponíveis para o público a partir de quarta-feira, 21.

A exposição ‘Expressionismo na Pintura e na Vida’ será inaugurada às 19h, no Museu Hugo Simões Lagranha, na Casa dos Rosa. A mostra, apoiada pela Prefeitura, por meio da Secretaria da Cultura, ficará até o dia 3 de março no espaço.

Obras

As 18 telas, inspiradas no movimento artístico Expressionista, foram elaboradas a partir de oficinas de arte em conjunto à terapia com os apenados. O projeto, entre o artista plástico Aloizio Pedersen e a psicóloga Maristela Mostardeiro, trabalhou a autoestima do grupo, reestabelecendo a autoconfiança entre eles.

As aulas foram ministradas entre outubro de 2023 e janeiro deste ano e contaram com o apoio das empresas Colméia Containers e Pioneira Indústria Textil.

O secretário de Cultura, DJ Cabeção, salientou que apoiar essa mostra, por meio de um projeto tão importante de ressignificação de vida aos apenados, é também um ato de cidadania para a sociedade.

“Toda ressocialização é digna de respeito, principalmente em um sistema em que a maioria não se ressocializa. Estarem engajados com a arte e na evolução pessoal, é apresentar uma forma de liberdade para essas 12 pessoas também”, completou.

As obras poderão ser conferidas de terças às sextas-feiras, das 10h às 17h e aos sábados e domingos, das 14h às 18h. O Museu Hugo Simões Lagranha está localizado na avenida Victor Barreto, 2186, Centro.

 

Continuar a ler
publicidade

Destaques

Copyright © 2023 Jornal Timoneiro. Developed By Develcomm