Canabarro Tróis filho: “Não ao autoritarismo”


Canabarro Tróis filho
Não ao autoritarismo

“O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes decidiu ontem suspender a medida provisória (MP) 896, editada pelo presidente Jair Bolsonaro…” (Correio do Povo, 19-10).

Como pode um tribunal de Justiça cometer tamanha asneira? E os outros dez ministros, o que pensam e diriam sobre a MP? Era só demorar mais um dia para anunciar a decisão dos onze membros do coletivo, confirmando sua condição de democratas.

Qualquer decisão individual fere a justiça de uma decisão de uma coletividade, de legítima representação de um povo. Toda concentração, de recursos, de poder, resulta na falta dos mesmos em algum setor igualmente necessitado.

Uma palavra, um gesto, revela a ambição de poder, que deve ser extirpada da relação entre pessoas e povos. O povo quer saber o que pensa a entidade (tribunal), através sua maioria legal, e não o que pensa, diz e faz um membro sozinho. Democracia é isso.

Bagagem

“Sonhar com o que já temos é o mesmo que andar sem avançar na estrada. É preciso almejar o impossível, não como estratégia de obter o meio-termo da consolação. Mais, sim, para conquistar o impossível”. (Folha de Canoas, 20 de agosto de 1994).