Estreia “O que o seu vereador anda fazendo…”. Veja a entrevista desta semana

Timoneiro: O que você realizou durante o seu mandato até aqui?
Vereador Quinho (PDT): É a minha primeira experiência no Legislativo, mas tenho bastante experiência no Executivo. Eu tenho um projeto para as escolas infantis de educação financeira e ambiental, pois eu acredito que a Educação seja a única ferramenta para transformar a sociedade. Também, o projeto do Troco Solidário, que são recursos que devem ir para as Forças de Segurança. Mas, acho que o principal papel do vereador, que eu me comprometi, e que é uma carência da, é o de fiscalizar o Executivo. Eu represento a sociedade. Tive uma ação preponderante nas ações da Gamp, nas quais iniciamos denúncias em março de 2017. Em relação à Educação, sempre busquei entender melhor a questão da distribuição das vagas e lutar pela inclusão nas escolas. Tenho esta marca reconhecida de quem acompanha meu trabalho.

Timoneiro: Quais as principais demandas dos populares que procuram seu gabinete?
Quinho:
Eu separaria em duas situações. Uma envolve o enorme problema do desemprego. Mas a principal demanda ainda é a Saúde. As pessoas me procuram e em todas as intervenções que faço deixo claro: “olha, vou tentar ajudar, não é meu papel, e tu não tens nenhuma obrigação comigo”, por questões éticas. Veja, o orçamento do município é de cerca de R$ 2 bilhões, e o Legislativo preconiza um investimento na Saúde de 15%, e 25% para a Educação. Neste ano, Canoas destinará 28% para a área da saúde. Eu louvo o governo e a responsabilidade do Prefeito por viabilizar isto, mas a tarefa para manter a infraestrutura é um desafio. Não estou simplificando a situação e tampouco dizendo que não são boas as ações até aqui. Mas a minha opinião é de que o gerenciamento de todo este parque da saúde deve ser feito através de parceria com a iniciativa privada.

Timoneiro:Das suas promessas de campanha, o que ainda falta ser realizado?
Quinho: Até minhas filhas brincam que não costumo conjugar o verbo prometer. Eu sempre deixei bem claro isso na minha campanha, pois é algo que foi vulgarizado na política. Dentro da Câmara é muito difícil uma proposta de projeto não ser aprovado pelos colegas. O veto se dá no Executivo, pelo Prefeito, por questões constitucionais, no qual não podemos exigir conduta do outro poder, por demandar recursos etc. Meu trabalho, apesar de estar este ano como presidente da Comissão de Saúde e Educação, é de ter sido muito forte nos dois primeiros anos na questão da saúde. Na educação, ter levado disciplinas novas para o currículo escolar e batalhar para que os profissionais desta área tenham mais respeito é uma briga que ainda travo. Sou contra recursos para Carnaval, por exemplo, acho que temos secretarias demais, e que há muito desperdício de dinheiro público. Elevar recursos para a Educação e, principalmente, contagiar os demais para que possamos transformar a cidade, e o país, é o que quero deixar como marca até o final do meu mandato.

Timoneiro:Pretende se candidatar na eleição de 2020?
Quinho: Sim. Mas, durante a campanha assumi alguns compromissos, uma delas era de não ser nem situação, nem oposição. E a outra foi sobre reeleição, onde deixei bem claro que eu não posso mudar a lei, mas posso ser exemplo. Eu vou à reeleição, mas será meu último mandato. Nada contra quem faz diferente. Mas acho que temos que oxigenar a política. É apaixonante tu mudar a vida das pessoas. Eu amo isso. Quero mandar um recado aos legisladores: “Vocês tem um poder enorme de representação, uma força enorme de mudar o rumo das coisas. Que possamos ser mais criteriosos na gestão deste nosso papel”.