Prefeitura de Canoas promove Dia D de vacinação contra a poliomielite e multivacinação neste sábado

A Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e multivacinação ocorre em Canoas durante o mês de outubro e, neste sábado, 17, será intensificada com o Dia D organizado pela Prefeitura. A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) tem como objetivo reforçar a imunização de crianças com idade entre 1 e 4 anos e 11 meses, através das “gotinhas”, e atualizar a caderneta de crianças maiores e adolescentes. As vacinas serão aplicadas em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e Clínicas de Saúde da Família (CSFs) disponíveis, entre as 8h e 17h.

A imunização também ocorrerá em sistema de drive-thru no estacionamento do Parque Esportivo Eduardo Gomes, das 10h às 16h. No mesmo horário, também haverá um ponto de vacinação no Parque Getúlio Vargas (Capão do Corvo), na área junto ao ParkShopping Canoas. Nestes pontos serão ofertadas apenas a vacinação da Poliomielite, que são as conhecidas “gotinhas”.

A Secretária Municipal da Saúde (SMS) de Canoas recomenda que mesmo crianças e adolescentes com a carteirinha de vacinação completa devem ser levadas às UBSs ou CSFs para a revisão, já que muitas vacinas passaram a ser oferecidas pelo SUS nos últimos anos. Todas as ações serão feitas levando em consideração as normas sanitárias de prevenção à Covid-19. Por isso, além de levar a carteirinha, vá de máscara e evite aglomeração.

Dados da doença no Brasil

Ministério da Saúde emitiu alerta nesta terça-feira, 3, para a baixa vacinação contra a paralisia infantil: 312 cidades não vacinaram nem metade das crianças menores de 1 ano em 2017. Embora não haja casos atuais de poliomielite, a preocupação do ministério se justifica por ao menos três motivos:

– a circulação do vírus em 23 países nos últimos 3 anos;

– o surgimento de um caso da doença na Venezuela em junho;

– o efeito devastador da doença no país antes de sua eliminação, graças à vacina.

De fato, a possível volta da paralisia infantil traz a memória de um passado que muitos não viveram — e o Ministério da Saúde tenta chamar a atenção para isso. “A Erradicação de pólio e sarampo criou ‘falsa sensação’ de que vacinação não é mais necessária”, afirmou a pasta em nota.

Se não fosse a vacina, diz o ministério, o Brasil não teria enfrentado um dos maiores desafios de sua saúde pública. Até a erradicação, foram 26.827 casos de poliomielite entre 1968 e 1989. Os anos 70 registraram a maior parte dos casos. Há um pico em 1975, com 3.596 registros. Outro ano com muitos casos foi 1979, com 2.564 infecções.

0

1 – A vacina é oferecida o ano inteiro em todos os postos de saúde. Trata-se de uma conquista histórica, diz historiadora.

2 – Uma criança deve tomar ao menos três doses da vacina para estar imunizada: 1ª dose aos 2 meses; 2ª dose aos 4 meses; 3ª dose aos 6 meses.

3 – Há um reforço da vacina aos 15 meses. Nesse reforço, são administradas duas gotinhas.

4 – O Ministério da Saúde realiza campanhas nacionais duas vezes ao ano. Mas a vacina pode ser aplicada a qualquer momento.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here