Contrato que coloca saúde de Canoas à disposição de 156 municípios atrasa atendimentos

“A médica do posto me encaminhou para Canoas para fazer a minha cirurgia, e na primeira consulta que fiz aqui no Gracinha já me encaminharam, foi rápido e o atendimento prestado foi excelente”. Este é um relato de uma moradora de Gramado que está sendo atendida no Hospital Nossa Senhora das Graças por conta de um problema traumatológico. A cidade da serra gaúcha é um dos 156 municípios que utilizam a rede de saúde de Canoas.
Entenda o caso
Em 2015, o então prefeito Jairo Jorge fez um acordo entre a Prefeitura de Canoas, Ministério da Saúde e Governo do Estado, no qual, após um estudo de demanda e valores, colocou a cidade de Canoas à disposição para determinados procedimentos médicos. As principais especialidades são Traumatologia, Neurologia (Clínica e Cirúrgica), Bariátrica, Cirurgias Clinicas e Cardiovasculares e Auditivas. Os atendimentos entre as especialidades variam entre os 156 municípios.

Problemas e Superlotações
De acordo com a nova gestão, o problema que o atual governo está enfrentando é em questão aos valores que a União e o Estado repassam para esses atendimentos, que não sofreram atualização desde a implementação há quatro anos, e, também, levando em consideração a demanda, que está cada vez maior, os moradores canoenses que procuram os hospitais locais são obrigados a esperar, às vezes, por horas um atendimento, pois, por conta deste acordo de 2015, todos os habitantes dos 156 municípios podem ser atendidos nas emergências das unidades de saúde de Canoas, ocasionando superlotações e a longa espera pelo atendimento médico.
Ainda segundo a administração, neste ano o Hospital Pronto Socorro chegou a 200% de sua capacidade, e também houve dias que cerca de mil pessoas foram atendidas na unidade hospitalar.

Valores
Sem atualização dos valores repassados, desde 2015, a Prefeitura de Canoas está gastando mais do que o estipulado para a Saúde. O secretário Municipal de Saúde, Fernando Ritter, em conversa com a nossa reportagem, deu como exemplo os gastos do Hospital Universitário: Por mês o custo do HU é entorno de R$ 11 milhões. R$ 4 milhões são verbas que o Estado repassa, R$ 3 milhões da União e o restante a Prefeitura de Canoas tem que desembolsar para o hospital continuar em operação.
“Na época em que o acordo foi fechado, o município não tinha custos no HU, e hoje tem que colocar dinheiro para mantê-lo”, ressalta o secretário.

Solução
De acordo com Ritter, primeiramente, a Prefeitura de Canoas junto do Governo do Estado está discutindo uma nova regionalização, que desde meados de 2010 não é realizada.
Ainda, que a Secretária de Saúde está investindo em atenção primária, com a criação das Clinicas de Saúde da Família, reformando as UBS, com a intenção de que as pessoas com menos gravidades as procurem ao invés de ir aos hospitais e UPAs.
Outra solução citada é o de devolver aos municípios casos de baixa complexidade. O Governo está cobrando dos municípios vizinhos que têm estruturas para resolver esse tipo de caso e que não precisa usar as unidades de saúde de Canoas.