Canabarro Tróis filho: “Gatos e Gatunos…”


Canabarro Tróis filho
Gatos e Gatunos…

Quantos gatos e gatinhos vocês já viram puxando, lá da frente, a hipotética terra para com ela taparem o cocô que teriam feito.

Como me sobra em imaginação e adivinhação o que me falta em conhecimento científico, continuo afirmando que há uma misteriosa corrente de transmissão, entre fêmeas e seus filhotes, garantindo a existência de hábitos, costumes peculiares.

Muitas vezes, nada há para puxar, mas os bichinhos, inteligentes autômatos, seguem puxando…

Puxando mesmo, em todas as direções, vão os gatos (gatunos), especialmente na política… Mas não olham para trás, só para a frente, onde possam fazer mais cocô. Assim será, até quando o povo tiver olhos para ver e coragem para corta-lhes os rabos.

Bagagem

“Em qualquer setor da crítica ocorre, amiúde, o equivoco de tomar a parte pelo todo, para coordenar ou enaltecer, desprezando-se o fato de que estamos, nós e nossas obras, em permanente movimento de evolução e/ou involução. Ao nos determos sobre a parte, assumimos o dever de acompanhar o todo. A vida não é feita de gavetinhas, onde se guardam coisas e papéis para usos e leituras eventuais. A vida é totalidade intransferível”. (Folha de Canoas, 13 de maio 1994).