Olegar Lopes: “Reverencio a importância do legado deixado pelo velho mestre Paixão Côrtes”


Olegar Lopes – Agenda Tradicionalista
Festivais de danças gauchescas

São muitos os festivais de danças gauchescas realizados anualmente pelo Rio Grande afora. Diria mais, até fora do RS, por estados para onde famílias gaúchas de agricultores e pecuaristas fixaram residência, levando na mala de garupa, além do chimarrão, a cultura gaúcha seus hábitos e costumes. Após se estabelecerem, essas famílias fundavam um Centro de Tradições Gaúcha a fim de manter vivas as tradições do pago e se manterem unidos. Essa sociedade acabava por atrair os nativos locais, fato de atualmente existir grande número de CTGs fora do estado gaúcho onde as danças gauchescas se desenvolvem como no Rio Grande do Sul.

Aqui existem milhares de CTGs que promovem festivais de danças e demais atividades artísticas, eventos que são orientados e coordenados pelo MTG que, além disso, promove e administra festivais de grande porte como o Enart só para uma categoria de concorrentes (adulto) e o Fegadan para três categorias de concorrentes (mirim, juvenil e adulto). Para premiar crianças e adolescentes o MTG criou o Enart (Pré-mirim, mirim e juvenil), evento que será realizado pela primeira vez em Soledade, dias 15 e 16 de junho de 2019. Para esse evento foram inscritos 109 grupos de danças gauchescas, sendo 24 grupos pré-mirim, 28 grupos mirim e 57 grupos juvenil.

Usei o termo danças gauchescas, termo pouco usual, como forma de reverenciar a importância do legado deixado pelo velho mestre Paixão Côrtes para o movimento tradicionalista, bem como para a cultura do nosso estado. Em um de seus textos sobre danças Paixão dizia: …não são danças gaúchas, sim danças gauchescas, são danças do Rio Grande antigo defrontando com o tempo de agora.