Graças Leaks: POMBOS NO FORRO: Forro contaminado não é retirado no Hospital Graças

A Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG) recebeu um parecer referente ao seu forro e telhado. No diagnóstico, questões como o gotejamento da tubulação interna no quarto dos médicos; dejetos de pombos e pragas; e vãos abertos e desprotegidos entre telha e madeiramento foram observadas. A Associação Beneficente de Canoas (ABC), mantenedora do Hospital, considerou que a colocação de um forro novo sem a retirada do antigo não foi a melhor solução técnica.
O Jornal O Timoneiro teve acesso a um parecer referente ao forro e ao telhado da UTI do Hospital Nossa Senhora das Graças antes da obra. O documento, com três páginas, é assinado pela arquiteta Adriana Silva e pelo engenheiro civil Valdir Fiorentin da A3 Arquitetura e Engenharia. Com fotos mostrando a UTI e o forro, o documento expedido em 20 de janeiro deste ano segue sua avaliação através de um diagnóstico com quatro itens e sete considerações mais uma sugestão técnica.
A ABC, através da comissão de obras do seu conselho deliberativo, realizou vistoria nas obras no dia 19 de março de 2015. Estas foram executadas com recursos próprios e dotações orçamentárias oriundas do Governo do Estado. Consistiam na reforma da capela, na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI), na recuperação do forro do corredor de circulação do Centro de Tratamento Intensivo (CTI) e UTI, e na reforma da emergência do Sistema Único de Saúde.

A empresa
Segundo seu site oficial, a A3 Arquitetura e Engenharia foi a responsável pelo projeto médico hospitalar no ano de 2011 no HNSG. Salienta em seu portfólio na internet que o projeto de 11.094,37 m² era a ampliação e reforma das unidades, os acessos e as fachadas. No diagnóstico anteriormente realizado, a empresa constatou que o “forro de gesso apresenta rachaduras, em virtude da fixação das guias das cortinas e dos dejetos de pombos e pragas abaixo do telhado”.
Em suas considerações, a empresa recomenda “a contratação de uma empresa que trabalhe com métodos de repelência, vedação e remoção;” “providenciar a limpeza do entre forro, a repelência e remoção dos dejetos;” “Fazer a vedação adequada, com a utilização de telas ou passarinheiras, nos vãos das telhas e reconstituição de madeiramento do beirado;” “A Fixação de espículas ou fios de nylon;” “Retirar o forro de gesso existente;” (o que não foi feito). “Abaixo das tesouras de madeira prender guias para a fixação de uma manta térmica que servirá de vedação” e “A fixação de novo forro de gesso e repaginação das luminárias, grelhas do ar condicionado e marcação de alçapões para manutenção.”
Na parte específica de sugestões técnicas, um desenho indicava a colocação de uma lona ou manta térmica fixada com ripas de madeira. Logo abaixo indicava o espaço da tubulação de ar condicionado (onde estão os desejos de pombos) e sugeria um forro de gesso.

Vistoria da ABC
Em duas páginas de texto corridos, um relatório da comissão de Obras do Conselho Deliberativo da ABC, representada por Alberto Matorelli, Guilherme Rocha e Roque Minella, salienta que a responsável pela obra é a Construtora SRC. Sobre a UTI, o documento diz que “constatou-se que para fazer-se a fixação do novo forro através de cabos metálicos, foi quebrado o forro antigo em vários locais e que a tubulação elétrica existente ficará sobre o que restou deste” e que “o piso da UTI estava com restos de obra e alguns buracos não havendo a colocação de uma lona para a devida proteção do mesmo”.
A respeito da recuperação do forro do corredor de circulação do CTI e UTI, diz que as chuvas de 04/03/15 provocaram o desabamento das placas de gesso e de luminárias do corredor de circulação. Referente à reforma da emergência do SUS, declara que o Sr. Carlos Eduardo informou que a mesma estava paralisada, para que fossem tomadas novas providências pela direção que recentemente assumiu o Graças. “A comissão deu por encerrada as vistorias, chegando a conclusão que as medidas tomadas na colocação de um forro novo de gesso acartonado sem a retirada do forro antigo não foi a melhor solução técnica a ser adotada” e assinalou que os responsáveis pela decisão, bem como os profissionais da empresa do centro de controle de infecções hospitalar e a direção do HNSG deverão ser chamados ao conselho deliberativo.

Agravo para a saúde
A presença de pombos ou de suas fezes é prejudicial para a saúde e pode causar muitas doenças que comprometem o sistema respiratório e podem também afetar o sistema nervoso central. Em todos os casos a morte é certa por infecções de bactérias, fungos e vírus. A ingestão de alimentos contaminados, a inalação de poeira resultante de fezes secas de pombos ou a simples exposição do mesmo no ambiente pode gerar doenças como a criptococose, a histoplasmose, a salmonelose, além de dermatites e alergias.

Contrapontos
Procurados pela reportagem, os profissionais da A3 arquitetura e engenharia não quiseram se manifestar.
A Prefeitura confirmou que é responsável, junto com o Hospital, pela reforma e que o problema foi constatado em janeiro deste ano. “Ação conjunta da SMS/DVS com o HNSG, aonde foi detectado o problema imediatamente, no mesmo momento/imediatamente, iniciou-se a reforma da UTI. Estamos fazendo a reforma do forro, vedação do telhado e impermeabilização do forro (para evitar a entrada de pombos)”, disse a nota.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here