SÉRIE DE REIVINDICAÇÕES: Educadores e estudantes do IFRS Canoas cumprem agenda de greve

Foto: Ato em Porto Alegre, realizado nesta quinta-feira, 9 / Divulgação

Na manhã de quarta-feira, 7, o Comitê de Greve do IFRS Canoas visitou a Câmara de Vereadores de Canoas como parte da sua agenda de mobilização nacional, que trata de assuntos relacionados à greve realizada por profissionais e estudantes da instituição, que deve se encerrar nesta sexta-feira, 10, com uma assembleia entre os servidores.

Na quarta-feira, 9, o grupo realizou Projeção e Debate sobre o filme “Abraço”, e depois deram um abraço simbólico no Campus de Canoas.

O Dia de Luta dos Estudantes em Defesa da Educação Pública, aconteceu nesta quinta-feira, 9, com concentração no Campus Porto Alegre, tendo depois organizada uma caminhada dos manifestantes.

Por que os servidores do IFRS Canoas estão em greve?

“O Instituto Federal Campus Canoas, ao longo de seus doze anos de existência, tem contribuído para o desenvolvimento econômico e social de Canoas e transformado as vidas de seus estudantes com a oferta de educação de qualidade. O Instituto é reconhecido por sua qualidade em ensino, mas desde 2016 foi acelerado o desmonte em sua qualidade e excelência na área de educação. A famosa ‘lei do teto de gastos’ congelou por 20 anos os investimentos nos setores sociais, como educação e saúde”.

Foto: Ato em Porto Alegre, realizado nesta quinta-feira, 9 / Divulgação

De acordo com os organizadores, por conta disso, o IFRS Canoas pode não conseguir manter suas atividades até o final do ano letivo.

O QUE REIVINDICAÇÕES OS SERVIDORES

1 – Revogação da emenda constitucional 95/2016. A Lei do Teto de gastos

Entre 2019 e 2021, a execução do orçamento federal da educação diminuiu R$ 8 bilhões em termos reais.  Para 2022, o valor autorizado para educação é de R$ 6,2 milhões, menor que a verba de 2021

2 – Reajuste salarial para os servidores dos IFs

Em documento entregue ao Ministério da Economia, em 18 de janeiro de 2022, os sindicatos dos servidores federais solicitaram 19,9% de aumento, mas somente durante o atual governo a perda salarial já superou 23%.

3 – Contra a PEC 32, a chamada Reforma Administrativa do Estado

A Reforma amplia a terceirização, abre caminho para a privatização dos serviços de saúde, educação e assistência social, entre outros. Aumentem, em muito, os famosos cargos de confiança em detrimento dos servidores efetivos.

“Apesar da escalada inflacionária galopante que estamos enfrentando, os funcionários dos Institutos Federais não recebem reajuste salarial desde 2015.”

Foto: Ato em Porto Alegre, realizado nesta quinta-feira, 9 / Divulgação

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here