Grupo cria audiodrama “Dia de Ira” em meio à pandemia, e abusa da criatividade

Foto: Bastidores da gravação / Divulgação

Nossa reportagem conversou nesta semana com a canoense Lara Vitoria, uma das produtoras do Dia de Ira”, escrita por João Pedro da Cunha, que escolheu para sua conclusão de curso (na UFRGS) uma obra na qual ele pudesse produzir e atuar também. Assim, João montou uma equipe com a ideia de apresentar teatro ao vivo, mas se deparou com a pandemia. De acordo com Lara, a partir daí, veio a angústia do isolamento e a insatisfação nas apresentações online.

O desabrochar

Inscritos e contemplados pela Lei Aldir Blanke, surgiu a ideia de fazer a peça “falada”. Mudou-se o estilo de ensaio e o foco foi o som e a voz, o que, segundo a produtora, foi um processo desafiador. Adaptação é umas das palavras que definem o projeto, desde o roteiro, até a maneira de contar a estória, que precisou de muita criatividade para que ficasse compreensível a quem ouvisse. Com estudo e gravações na casa de uma integrante, nasceu o audiodrama, que lembra as antigas radionovelas.

“A necessidade é a mãe da invenção”

Foto: Bastidores da gravação / Divulgação

“Resisti à ideia de apresentar meu estágio de atuação em um formato em que não estava acostumado. Eu não queria concluir minha graduação através de um método de apresentação em que não era familiarizado. Sentia que o estágio era um momento de colocar em prática os ensinamentos e conhecimentos organizados e adquiridos no decorrer da graduação, e o teatro online não era um deles. Dessa forma, a ideia do audiodrama surgiu como uma alternativa que supriria as necessidades das opções prévias, pois, com ela, poderíamos proporcionar uma experiência imersiva, utilizando de efeitos para criar ambientes sonoros que estimulariam a imaginação do ouvinte Além disso, teríamos a oportunidade de explorar um formato em ascensão de popularidade, o podcast, e dessa forma, nos debruçar no trabalho com a voz e a palavra”, relata João Pedro da Cunha.

Sinopse: É o fim do mundo. Após o Julgamento Final, todos os mortos foram salvos ou condenados. Entretanto, os vivos foram deixados na Terra para concluírem seus destinos. Nesse mundo pós-apocalíptico, há um homem refugiado em uma igreja que busca a resposta para uma pergunta inquietante: se as leis humanas e divinas acabaram, poderia ele matar?

Ficha Técnica:

Produção: João Pedro da Cunha, Lara Vitoria e Marina Greve
Direção: Henrique Strieder
Texto e dramaturgia: João Pedro da Cunha
Elenco: Duda Rhoden, Henrique Strieder, João Pedro da Cunha, Juliano Félix, Lara Vitoria e Marina Greve
Trilha sonora: poejo
Edição e mixagem: Henrique Strieder e poejo
Arte gráfica: Andressa Ahlert
Orientação: Patricia Leonardelli
Estágio de atuação de João Pedro da Cunha

Link Spotify: https://open.spotify.com/episode/4Hsc1UTetvRNiKVykTmRY5?si=z4ejRRkKSbiz_tlh5udMqg&dl_branch=1

Rio WebFest: https://drive.google.com/file/d/1dUP5P-Ig3EGsxojbosZY24JimJIQ7hnT/view?usp=drivesdk

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here