CARNAVAL DO RIO: Desfiles do grupo especial começam nesta sexta-feira, 22

Atual Campeã desfila na primeira noite do grupo Especial / Foto: Reprodução

Por Daniela Uequed e Douglas Angeli

A semana começa com grande expectativa para os amantes do carnaval: as escolas de samba retornam à avenida Marquês de Sapucaí após uma espera de mais de dois anos. Originalmente previstos para fevereiro, os desfiles foram remarcados para esta semana devido ao avanço da variante Ômicron no início do ano. Registrando queda na média móvel de casos há várias semanas, o Rio de Janeiro se prepara para o espetáculo que começa com a série ouro (segundo grupo) na quarta e quinta, 20 e 21, e tem seu grande momento com o grupo especial nas noites de sexta e sábado, 22 e 23 de abril.

Enredos exaltam a negritude

O carnaval de 2022 terá como marca a exaltação da história e da cultura afro-brasileira, eixo temático predominante nos enredos das escolas de samba do grupo especial. Vice-campeã em 2020, a Grande Rio vai desfilar com o enredo “Fala Majeté! Sete Chaves de Exú”, dos carnavalescos Leonardo Bora e Gabriel Haddad. Também celebrando os orixás, a Mocidade Independente de Padre Miguel levará Oxóssi para a avenida, com o enredo “Batuque ao Caçador”. Os sambas de ambas estão entre os melhores do ano, juntamente com a Paraíso do Tuiuti, onde Paulo Barros vai buscar surpreender com um enredo de valorização dos protagonistas negros: “Ka ríba tí ÿe – Que nossos caminhos se abram”. A Portela terá como tema o baobá, árvore considerada sagrada na África e ligada à ancestralidade, enquanto o Salgueiro tratará dos espaços e expressões culturais de resistência negra no pós-abolição. Na mesma linha, Alexandre Louzada concebeu o enredo “Empretecer o pensamento é ouvir a voz da Beija-Flor”, para a escola de Nilópolis. Se diferenciando da maioria, a Unidos da Tijuca optou por uma temática indígena em torno da lenda do guaraná da nação Sateré-Mawé.

Homenagens e celebração da vida

Com o enredo “Angenor, José & Laurindo”, do carnavalesco Leandro Vieira, a Estação Primeira de Mangueira falará de si mesma e de sua comunidade ao rememorar três grandes ícones da história da escola: seu fundador, Cartola, o maior intérprete, Jamelão, e o grande mestre-sala Delegado. A Vila Isabel pretende fazer uma grande homenagem em vida ao seu grande sambista, Martinho da Vila, encerrando os desfiles da segunda noite do grupo especial. Já a Imperatriz Leopoldinense terá a missão de abrir a primeira noite, relembrando a trajetória de um dos maiores carnavalescos da história das escolas de samba, Arlindo Rodrigues. A São Clemente fará homenagem ao ator e humorista Paulo Gustavo, vítima da covid-19 em maio de 2021. A grande campeã do carnaval de 2020, Unidos do Viradouro, pretende disputar o bi com um desfile sobre o carnaval de 1919, considerado o maior de todos os tempos e que ocorreu após a epidemia de gripe espanhola. O enredo “Não há tristeza que possa suportar tanta alegria”, de Marcus Ferreira e Tarcísio Zanon relaciona passado e presente e convida a “retomar a vida pela alegria no maior carnaval de todos os séculos”. Em 2021 o Rio de Janeiro e as demais capitais cancelaram o carnaval devido à pandemia, sendo os desfiles transferidos para julho e depois adiados para 2022. Em fevereiro, um novo adiamento. Ao longo da pandemia, as escolas de samba mobilizaram as suas comunidades para ações de solidariedade e incentivo às medidas de proteção e à vacinação, sendo que diversas de suas quadras foram utilizadas como pontos de aplicação das vacinas contra a covid-19.

Ordem dos desfiles

– A primeira noite do grupo especial, na sexta-feira, terá Imperatriz, Mangueira, Salgueiro, São Clemente, Viradouro e Beija-Flor. No sábado desfilam Tuiuti, Portela, Mocidade, Tijuca, Grande Rio e Vila Isabel. A rede Globo transmite os desfiles de sexta e sábado para todo o Brasil. A apuração ocorre na terça-feira, 26, a partir das 16h e o desfile das campeãs, com transmissão pelo canal fechado Multishow, no sábado dia 30.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here