Hospital Nossa Senhora das Graças é alvo de falsas notícias

Nesta semana circulou uma informação em grupos do Facebook, que dizia que o Hospital Nossa Senhora das Graças não estaria atendendo o SUS. A nossa equipe de reportagem entrou em contato com a Secretária Municipal da Saúde que negou o fato.

“É muito triste que pessoas usem da disputa eleitoral para inventar mentiras. Há algum tempo já estamos convivendo com esse problema: falaram que a Upa do Idoso estava fechada, que o Pronto Socorro não atenderia mais pelo SUS e, agora, que o Graças está fechado. O problema é que, ao inventar essas mentiras, as pessoas não atingem só os gestores públicos, mas deixam preocupados os pacientes que precisam dos serviços, o que num momento de emergência pode ser fatal. É muito triste que pessoas usem da disputa eleitoral para inventar mentiras. Espero que a Justiça observe muito de perto essas situações e puna quem atenta contra a Sociedade”, esclareceu o secretário municipal da Saúde, Fernando Ritter.

Novo panorama

O processo eleitoral brasileiro de 2018 ocorreu de maneira diferente dos anteriores, tivemos a inserção do meio digital, um fenômeno que deve ser ainda mais intenso nas eleições deste ano, não somente pela consolidação das redes sociais, que serve como fonte fundamental de informação popular, mas também por conta do distanciamento social, que acaba limitando os eventos dos candidatos.

A eleição está em andamento, e as campanhas estão cada vez mais se intensificando na internet, mas o tema que gerou muita preocupação durante o  último pleito, em 2018,  voltou à tona neste ano: as fake news.

Acordo contra a desinformação

Sete instituições das esferas estaduais e federal no Rio Grande do Sul, Tribunal Regional Eleitoral-RS (TRE-RS), Ministério Público Eleitoral, Ministério Público, Secretária Estadual de Segurança, Polícia Civil, Polícia Federal e Agência Brasileira de Inteligência, firmaram um acordo, com o objetivo de monitorar a circulação de notícias falsas relacionadas às eleições e comunicar as autoridades para investigação e responsabilização penal dos autores e distribuidores de fake news conforme os crimes em que os atos se enquadrarem.

TSE faz parceria com redes sociais

Para combater a divulgação de fake news durante as eleições, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anunciou no último dia  30, uma parceria com as  principais redes sociais. O objetivo da parceria é tentar eliminar a desinformação por má-fé e proteger a democracia. O presidente da CPI Mista das Fake News, senador Angelo Coronel (PSD-BA), disse que a parceria é um passo importante para a realização de eleições limpas.

Seis empresas fizeram parceria com o TSE: WhatsApp, Twitter, Facebook, Instagram, Google e TikTok. Elas vão desenvolver ferramentas para combater perfis falsos, uso indevido de robôs e impulsionamentos ilegais de conteúdo.

As redes sociais parceiras do TSE já possuem botões para denúncias de notícias falsas, na tentativa de conter a disseminação de inverdades. Embora a pauta seja polêmica, as empresas tentam fugir da atitude de punir ou retirar publicações para evitar críticas dos usuários.

*Como denunciar as fake news*

Qualquer denúncia sobre informações falsas, durante a eleição pode ser realizada através do site do Ministério Público Eleitoral por meio do porl MPF Serviços (www.mpf.mp.br/mpfservicos).

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here