Programa Recomeçar coloca 1100 apenados do sistema prisional a trabalhar

O Programa Recomeçar, capitaneado pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (SMDS), busca ressocializar apenados do sistema prisional em regime semiaberto por meio de serviços prestados ao município. Atualmente há 96 reeducandos em atividade e novos estão sendo selecionados. A mão de obra vem sendo empregada na Central de distribuição de Alimentos (CDA), nos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), no Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), nas quatro sedes dos Conselhos Tutelares, em trabalhos realizadas pelas Secretarias dos Transportes e de Obras, na Defesa Civil e na cozinha do próprio Instituto Penal de Canoas (IPC).

Mais de 3.982 detentos já passaram pelo Programa, nos últimos cinco anos. Em 2019, foram 1.100 reeducandos incluídos, demonstrando a preocupação da atual gestão municipal com o impacto social gerado. A previsão da Secretaria é ampliar os serviços para apenados do regime fechado para a confecção têxtil de uniformes para professores da rede municipal de ensino e roupas de cama para abastecimento do Hospital de Pronto Socorro e do Hospital Universitário de Canoas.

A iniciativa, realizada por meio de um convênio entre a Prefeitura de Canoas e a Secretaria de Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul, só distribui as funções depois do apenado passar por uma entrevista, além de análise do delito cometido, da experiência profissional e do desejo em ter atividade laboral por parte do candidato a reeducando. Pela jornada de trabalho, os apenados contam com redução de pena, conforme prevê a legislação, recebem R$ 900 mensais e uma cesta básica mensal, valores estes quase quatro vezes menos do que custaria um funcionário contratado com vínculo empregatício para essas atividades.