Presidente do SindiTáxi fala sobre ações do seu mandato

Desde março de 2018 no comando do Sindicato dos Taxistas de Canoas, o SindiTáxi, o presidente Dino César Studzinski se mostra preocupado com o futuro da categoria, mas continua confiante e busca alternativas para dar continuidade ao serviço de táxi no município.
Responsável em representar a categoria junto à Prefeitura de Canoas e a Secretária Municipal de Canoas, que é o órgão que regulamenta a atividade dos taxistas, com um ano e cinco meses à frente do Sindicato, Dino conquistou mudanças favoráveis para a classe, como, por exemplo, no último dia 23, quando foi aprovado na Câmara de Vereadores a troca da Lei Orgânica do município, que permite que os taxistas possam transferir os carros, e não devolvam para a Prefeitura, como era feito antes. A mudança das cores dos táxis canoenses de amarelo para branco também foi conquista da atual gestão.
O presidente deu ênfase à falta de procura ao serviço de táxi, que caiu 60% nos últimos anos, segundo ele, por causa dos transportes executivos. “Hoje a situação do taxista está muito complicada, nós ganhamos um forte concorrente, que são os aplicativos, que fizeram cair muito a procura do nosso serviço. Está difícil até para se manter”, pontuou. Dos 173 taxis que circulam em Canoas, 95 são associados ao sindicato.
O Sindicato dos Taxistas de Canoas está batalhando junto à Prefeitura para que o serviço alternativo (Uber, 99, e outros) seja regulamentado. O presidente falou sobre a concorrência que acaba sendo desleal, por conta do valor. “Eles teriam que ter as mesmas (ou parecidas) aplicações que nós temos, estamos lutando para isso. Perdemos associados por conta isso. Estamos numa batalha para que isso aconteça. Se nós não nos mobilizarmos, logo vai acabar o serviço de táxi”, concluiu.