Paciente morre após cirurgia de vesícula no HNSG

Hospital Nossa Senhora das Graças tem médicos envolvidos na fraude. Foto: Bruno Lara-arquivo/OT
Hospital Nossa Senhora das Graças tem médicos envolvidos na fraude. Foto: Bruno Lara-arquivo/OT

 

Por Émerson Vasconcelos

 

Na última semana O Timoneiro narrou o drama da família de Santa Marina, que teve complicações em uma cirurgia de coluna no Hospital Nossa Senhora das Graças e que sofre com sequelas deixadas por uma fístula causada pelo procedimento. Depois da publicação da reportagem a família de outra paciente entrou em contato com nossa equipe de reportagem, narrando problema similar. Neste novo caso, no entanto, a paciente Maria Diula Medeiros, de 86 anos, acabou falecendo.
Segundo um dos filhos de Maria, que preferiu não se identificar nominalmente, sua mãe ficou internada por 30 dias no Hospital Nossa Senhora das Graças. De acordo com ele, a paciente passou por um cirurgia de vesícula no final de fevereiro e desde então não teve alta do hospital, onde faleceu no dia último dia 27.

O filho conta que, ao ler a reportagem sobre Santa Marina, percebeu que o mesmo que disseram para os familiares daquela paciente foi dito a respeito da sua mãe. Durante a cirurgia teria ocorrido a formação de uma fístula, que fez com que ela ficasse no hospital por muito mais tempo do que era esperado no caso de uma cirurgia de vesícula. Ainda segundo o filho, Maria teria falecido em decorrência de uma infecção hospitalar.

“Um erro médico fez com que minha mãe ficasse no hospital por tempo o suficiente para pegar uma infecção. Tínhamos este medo desde que a cuidadora que contratamos comentou que existia o boato de que já haviam outros casos de infecção hospitalar em pacientes que estavam internados no Nossa Senhora das Graças”, explicou.

 

O caso de Santa Marina

Conforme OT noticiou, a paciente Santa Marina da Rosa Silva, 67 anos, teve a coluna operada em 2013, no Hospital Nossa Senhora das Graças, pela equipe do doutor Fernando Sanchis, apontado como um dos responsáveis pela Máfia das Próteses. Como a cirurgia teve complicações, a paciente passou por mais três operações corretivas e acabou tendo os pinos da coluna retirados. Segundo a família, a equipe médica informou que as complicações se deram porque os pinos estariam infectados em decorrência de uma contaminação generalizada no bloco cirúrgico.
O resultado da série de cirurgias mal-sucedidas foi a formação de uma fístula e o vazamento de líquor da coluna. Com todas estas complicações, a paciente acabou dependente de uma cadeira de rodas e atualmente usa um dispositivo de drenagem (DVP) na cabeça.

 

O que diz a Prefeitura

Em nota, a Secretaria Municipal da Saúde esclareceu que, “por se tratar de uma pessoa idosa que permaneceu por 30 dias internada, com várias intercorrências nesse período, que envolve a análise de muitos documentos e profissionais envolvidos, não há como responder essa situação de forma detalhada e precisa sem a realização de uma auditoria no prontuário da paciente”.
O órgão informou ainda que haverá uma auditoria da secretaria para avaliar o caso. “Para não incorrer em informações imprecisas, vamos solicitar que o setor de auditoria da SMS analise o ocorrido. De qualquer maneira, a SMS coloca-se a disposição da família para repasse de dados necessários, juntamente com as informações técnicas do Hospital”.

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here