Tal pai, tal filha: Sarah Mendes é campeã brasileira de judô

SIMONE DUTRA

A pequena Sarah Mendes, de apenas 11 anos, esteve na redação do Timoneiro, na tarde da terça-feira, 27, acompanhada da avó, Carmen, mostrando com orgulho a medalha de ouro que conquistou no Campeonato Brasileiro de Judô sub-13, realizado em Curitiba, no Paraná, nos dias 17 e 18 de agosto. A jovem, que treina na Sogipa e na academia Double Black, não perde na sua categoria há mais de dois anos e já garantiu participação nos jogos Pan-Americanos sub-13 e sub-15 de Judô, que ocorrerão no México, na primeira semana de novembro.

Rotina de atleta
A pequena atleta conversou com nossa equipe de forma concentrada e sempre respondendo tecnicamente, mostrando conhecimento e maturidade. “Eu vejo que há uma diferença grande na maneira como as meninas são tratadas no esporte, em relação aos meninos”, disparou Sarah, que treina nas segundas e quartas-feiras à tarde na Sogipa, de segunda a sexta-feira à tarde Jiu-jitsu e terças e quintas-feiras judô na academia Double Black, em Canoas, além de ajudar ao pai, Moacir, a dar aulas para crianças de 3 a 6 anos.
Apesar da rotina de treinos puxados, Sarah é coroinha da Igreja São Paulo Apóstolo, e, de acordo com Carmen, também é um exemplo nos estudos, aos quais dedica igual esforço para manter as notas sempre acima de 9. Tendo como um dos grandes prazeres na hora de lazer o hábito da leitura, conquistou o prêmio de 1º lugar em leitura pela Escola La Salle Niterói, em Canoas, onde estuda, e o 10º lugar em todo o mundo.

Tal pai, tal filha
Em 1992, “O Timoneiro” publicava matéria que mostrava o pai de Sarah, Moacir Mendes Junior, como campeão da seletiva da Sogipa, e indo disputar o Campeonato Brasileiro de Judô, em Minas Gerais, com a mesma idade da filha, 11 anos. Hoje, Moacir, que é faixa preta de judô e jiu-jítsu, é um dos principais nomes do judô do Rio Grande do Sul e da Sogipa, Foi tetracampeão brasileiro e um dos atletas mais técnicos em “newaza” (técnicas de solo). Moacir também colabora com a Seleção Brasileira. Antes dos Jogos do Rio-2016, ele ministrou aulas de técnicas específicas aos judocas que representaram o Brasil. Além do pai, Sarah conta que sua maior inspiração é a medalhista brasileira Maira Aguiar, a quem costuma observar e ter como exemplo.

Para que manchetes como “Falta de patrocínio impediu que fosse aos EUA” se repitam em tempos tão ricos para o esporte mundial, a família abre portas para que empresas ou pessoas possam patrocinar Sarah nas competições. Os telefones para contato são: (51) 99169.9896 e (51) 98428.7914.