Governo determina atos da licitação do transporte coletivo

A licitação do transporte coletivo de Canoas teve a primeira etapa realizada nesta segunda-feira, 3. A execução do Plano de Mobilidade Urbana, primeiro passo do processo, foi autorizada pelo prefeito Luiz Carlos Busato (PTB), em um ato no Paço Municipal. De acordo com a administração municipal, técnicos farão levantamentos de campo, e cerca de 8 mil canoenses serão entrevistados, em mais de 2,3 mil residências de todos os quadrantes da cidade.

O prefeito Busato, juntamente com o secretário municipal de Transporte e Mobilidade, Ademir Zanetti, e a representante do Consórcio Canoas – responsável pela elaboração do Plano de Mobilidade do município – Daniela Carneiro, assinaram a Ordem de Início de Serviço. A partir de agora, a empresa terá um prazo legal de oito meses para a construção do documento norteador, que deve incluir informações sobre os serviços de transporte público coletivo, circulação viária, infraestrutura do sistema de mobilidade urbana e acessibilidade, entre outros itens. A elaboração deve ocorrer de forma integrada com os planos diretores, e a revisão deve ocorrer a cada dez anos.

Licitação

Um dos processos que está atrelado ao Plano de Mobilidade é a licitação para o transporte público de Canoas, que poderá ser elaborada através das análises técnicas realizadas. Segundo o prefeito Busato, conversas anteriores com a empresa deixaram uma previsão de que, até agosto, o edital para a licitação esteja pronto. “Hoje se dá o pontapé inicial para um projeto que almejávamos. A empresa está ciente do nosso desejo de planejarmos a cidade, e isso inclui, com muita importância, a licitação do transporte coletivo de Canoas”, garante o prefeito Busato.

O secretário Ademir Zanetti, em conversa com a reportagem do jornal Timoneiro, deu mais detalhes sobre esse processo: “O governo tem uma preocupação muito grande com o sistema de transporte. Cuidamos para cumprir o contrato com a Sogal e cobramos a renovação da frota”. Ele também destaca que a Sogal ainda tenta, na Justiça, a renovação do contrato por mais 10 anos, mas que isso não representa entrave para o processo de licitação que está sendo elaborado. “A vontade do Prefeito é fazer a licitação tão logo nos seja entregue o edital”, diz Ademir. Ele também aponta a preocupação com as famílias dos colaboradores da Sogal: “Seja quem for a futura empresa operadora, vamos trabalhar para que esses funcionários sejam mantidos”.