Sidi Medicina por Imagem instala unidade em Canoas

O grupo Sidi Medicina por imagem, maior centro de diagnóstico por imagem da Região Sul do país, agora tem uma unidade instalada em Canoas, no Conjunto Comercial. De acordo com a gerente comercial do grupo, Rejane Rodrigues, o Sidi é o maior do sul tanto em número de unidades quanto de profissionais qualificados envolvidos nos processos.

A respeito do motivo pelo qual Canoas foi escolhida como sede da mais nova unidade, Rejane explica: “Uma das coisas que percebemos é que o número de pessoas de Canoas atendidas em outras unidades como Porto Alegre, Esteio e São Leopoldo é muito grande. Na nossa área de trabalho, a indicação do médico é muito prevalente. Como somos tão conhecidos, o médico já conhece o nosso trabalho e ter uma unidade na cidade facilita para que o paciente tenha acesso aos nossos serviços”.

Ainda de acordo com a gerente comercial do grupo, a escolha do local se deu pelo tamanho do espaço para implantação da unidade (mais de 900m²) e também pela comodidade, uma vez que o Conjunto Comercial é de fácil acesso à população. “Além disso, estar dentro de um espaço que é seguro e confortável para quem acompanha o paciente e precisa esperar é também um ponto muito positivo. O estacionamento é amplo e a acessibilidade é implementada de forma plena”, explica Rejane.

Atualmente, na primeira fase de implantação da unidade, já estão disponíveis os seguintes exames: ecografia, raio-x, holter, eletrocardiografia, mamografia. Na segunda-feira, 18, passa a funcionar a tomografia computadorizada, que é o exame de maior complexidade desta fase. Na segunda fase serão implantadas a ressonância magnética e a cintilografia.

“O Sidi é pioneiro, com mais de 30 anos de atuação, e esse pioneirismo consolidou o nosso nome. A opinião do médico tem muito peso sobre onde o exame vai ser realizado, em casos onde a complexidade é enorme. Temos uma credibilidade alcançada ao longo de mais de três décadas junto à comunidade médica. Ficamos credenciados para ir crescendo onde o público necessitava”, conclui Rejane.