Novo solicita ao TCE e MP que investigue se servidores públicos receberam o auxílio emergencial

A Bancada do Partido Novo na Assembleia Legislativa solicitou ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e ao Ministério Público (MP) investigação sobre servidores que teriam recebido o auxílio emergencial, o que seria irregular. Os deputados Fábio Ostermann e Giuseppe Riesgo pedem que o TCE e o MPRS realizem uma apuração sobre possíveis fraudes por parte de funcionários públicos no recebimento do benefício social, que é destinado apenas para pessoas em situação de vulnerabilidade.

Em um cruzamento de dados prévio realizado pela Bancada do Novo, foi possível verificar algumas informações preliminares: entre os servidores do Estado do RS, há 3.370 nomes iguais inscritos para o recebimento do auxílio emergencial. O líder da Bancada do Novo, deputado Fábio Ostermann, ressalta que, em diversos casos, pode-se tratar de homônimos, tendo em vista a natureza comum e frequente de muitos desses nomes. No entanto, o parlamentar aponta que “estas informações preliminares, em conjunto com o que se observou em outros estados, são suficientes para que os órgãos de controle possam se debruçar sobre o assunto. O TCE e o MPRS podem cruzar os dados com CPF e saber se realmente foram servidores ou apenas pessoas com nomes iguais”.

Dos mais de três mil nomes encontrados entre os servidores do Estado, 421 deles têm lotação em Porto Alegre; 148 em Canoas; 110 em Gravataí; e 102 em São Leopoldo. A Bancada do Novo também se debruçou nos servidores municipais e encontrou a mesma situação em Porto Alegre, Caxias do Sul, Canoas e Santa Cruz do Sul.

Recentemente, diversos estados brasileiros já tiveram servidores que receberam de forma irregular o auxílio emergencial, como Rio Grande do Norte, Ceará, Espírito Santo e Santa Catarina. Para o deputado Ostermann, é “importante tomar todas as medidas necessárias – fiscalizatórias, preventivas e corretivas – com o objetivo de garantir a adequada aplicação desses recursos para a população que necessita”.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here